• Seja bem vindo ao Pampulha Hostel - Sua opção de hospedagem em BH

+55 (31) 3317.3224

Região da Pampulha

Home Região da Pampulha

Região da Pampulha

Pampulha é uma região administrativa (regional) de Belo Horizonte, localizada sob as coordenadas 19° 51' 44" S 43° 58' 14" O, sendo a lagoa artificial de mesmo nome uma das principais atrações turísticas dessa cidade. Nela localizam-se os estádios Governador Magalhães Pinto (Mineirão) e Jornalista Felipe Drummond (Mineirinho) e diversos clubes. Anualmente é disputada a Volta Internacional da Pampulha, na Avenida Otacílio Negrão de Lima, que contorna a lagoa. Também na virada do ano acontece o maior show de fogos do Estado, reunindo cerca de 300 mil pessoas no entorno.

A região também é sede do campus da UFMG, da Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte e do Aeroporto da Pampulha.


Conjunto Arquitetônico da Pampulha

A lagoa artificial foi construída no inicio da década de 1940, quando o prefeito era Juscelino Kubitschek. Para compor o seu entorno Oscar Niemeyer projetou um conjunto arquitetônico que se tornou referência e influenciou toda a Arquitetura Moderna Brasileira. Fazem parte do conjunto a Igreja São Francisco de Assis, o Museu de Arte da Pampulha, a Casa do Baile e o Iate Tênis Clube. Os jardins de Burle Marx, a pintura de Cândido Portinari, os azulejos de Paulo Werneck e as esculturas de Ceschiatti, Zamoiski e José Pedrosa completam e valorizam o projeto concebido para a lagoa. O conjunto arquitetônico e urbanístico original foi inaugurado em 1943. A orla da Lagoa da Pampulha concentra várias opções de lazer, como o Estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como "Mineirão", o ginásio do Mineirinho, o Jardim Botânico, o Jardim Zoológico, o Parque Ecológico, o Centro de Preparação Equestre da Lagoa e pistas para ciclismo e caminhada.


Igreja São Francisco de Assis

Suas linhas arredondadas denunciam a ousadia de Oscar Niemeyer e são um marco da arquitetura moderna brasileira. As curvas são um contraponto ao ângulo reto. No interior existem 14 painéis que retratam a Via Sacra, considerados a obra-prima de Portinari. Na parte externa destacam-se os jardins elaborados por Burle Marx e mosaicos nas fachadas laterais. A igreja católica, artisticamente conservadora, viu inicialmente com maus olhos o aspecto inovador do projeto, e somente reconheceu o edifício como igreja em 1954, ou 11 anos depois de sua construção.

Fonte: wikipedia